O que você procura?
Área do Médico

Pronto atendimento Cardiológico (48) 3212-5000


Curiosidades

Aqui você encontra informações úteis sobre os problemas cardíacos mais frequentes, orientações aos seus portadores e esclarecimentos sobre os principais procedimentos realizados pelo S.O.S. Cárdio.

  • Arritmias

    As arritmias são alterações na freqüência e/ou ritmo do coração, e apresentam uma diversidade muito grande de etiologias, gravidade e mecanismo (maneira) de ocorrência. Isto significa que durante uma arritmia o coração pode bater muito rápido, muito devagar ou de forma irregular.

    Normalmente estas alterações se traduzem para o paciente como uma sensação de um batimento mais forte após falha, uma sensação de "batedeira" ou palpitação no peito ou irregularidade no batimento cardíaco. Além disso, de forma isolada ou associada as descritas podem haver tonturas, suor frio, sensação de dor no peito , falta de ar ou mesmo desmaios.

    Em geral as arritmias são mais comuns em pessoas com problemas cardíacos como doença valvular, doença no músculo do coração (miocardiopatia) ou doença nas artérias coronárias (vasos sanguíneos que levam sangue arterial com oxigênio e nutrientes ao coração), entretanto, muitas arritmias ocorrem em pessoas com corações absolutamente normais.

    As arritmias muitas vezes são precipitadas por fatores externos estimulantes como cafeína e bebidas alcoólicas.

  • Cateterismo Cardíaco

    O que é?

    É a introdução de um catéter em uma veia ou artéria e o seu manuseio até as cavidades do coração. Esta veia ou artéria pode ser puncionada ou dissecada em locais como prega do cotovelo, punho ou região inguinal. É realizado em adultos e crianças desde a tenra idade e presta-se a avaliação de doença coronária (Cineangiocoronariografia), valvular, miocardiopatias, doenças congênitas e outras.

    QUANDO REALIZADO PELO BRAÇO...

    * O paciente deverá permanecer aproximadamente 30 minutos na sala de recuperação;
    * Realizar exercícios de abrir e fechar a mão cateterizada;
    * Manter o braço em extensão (reto), nas três primeiras horas após o exame, evitando flexioná-lo;
    * Evitar carregar peso com o braço cateterizado até a retirada dos pontos;
    * Realizar o curativo a cada dois dias ou sempre que estiver molhado;
    * Retirar os pontos após 7 dias, no mesmo local onde estiver realizando curativo.

    QUANDO REALIZADO PELA PERNA...

    * O paciente deverá permanecer aproximadamente 7 horas na sala de recuperação, deitado e mantendo repouso absoluto do membro cateterizado, evitando flexioná-lo;
    * Realizar movimento de rotatividade com o pé do membro cateterizado;
    * Evite esforços ou movimentos abruptos com o membro cateterizado durante as primeiras 24 horas.

  • Ecocardiograma

    O ecocardiograma transtorácico é um exame cardiológico de imagem que utiliza a técnica do ultrassom e é realizado por médico cardiologista especializado em imagem.
    Destaca-se como método diagnóstico em cardiologia pela diversidade de informações sobre a anatomia e o funcionamento do coração possibilitando o rastreamento de cardiopatias (doenças do coração) de forma não invasiva, rápida e confortável, não necessitando o uso contrastes ou radiação. Essa técnica tem evoluído muito e atualmente dispomos de outras modalidades como o ecocardiograma transesofágico, ecocardiograma de estresse e o ecocardiograma tridimensional.

    O ecocardiograma transesofágico é uma modalidade de ecocardiografia destinada à investigação de situações que necessitam de uma melhor definição de imagem, obtida pela visualização mais próxima das estruturas do coração, através do acesso esofágico (semelhante à endoscopia digestiva alta). É indicado nos casos em que o ecocardiograma convencional necessita de informação complementar, como na avaliação de tumores cardíacos, coágulos intracardíacos, infecções das válvulas cardíacas, doenças congênitas, doenças da aorta, dentre outras.
    Para a sua realização são necessárias seis horas de jejum absoluto (sólidos e líquidos) e a presença de um acompanhante, uma vez que o paciente será submetido à sedação superficial.
    As principais contra-indicações para a sua realização são as doenças graves do esôfago como: varizes esofagianas, câncer do esôfago, divertículo de Zenkel ou estenose esofágica.

  • Estudo Eletrofisiológico e Ablação por Catéter através de RadioFrequência (RF)

    O que é Estudo Eletrofisiológico?
    Um exame cardiológico realizado para estudar o sistema elétrico do coração e diagnosticar seus eventuais distúrbios - arritmias - que podem ocasionar anormalidades como acelerações cardíacas, pausas ou batimentos lentos. Através deste estudo, os pacientes podem ser tratados com maior segurança e eficiência. A duração média do exame é de cerca de 90 minutos.

    O que é Ablação por Cateter?
    A ablação é um procedimento que se utiliza cateteres (fios) colocados dentro do coração e é usado para tratar definitivamente grande parte das arritmias cardíacas, que até a poucos anos, somente podiam ser tratadas provisoriamente através de remédios ou definitivamente através de cirurgia cardíaca, que era reservada para os casos muito graves. Com esta nova técnica, muitos pacientes portadores de arritmias cardíacas podem ficar curados, sem a necessidade de cirurgia ou medicações, com muito mais eficiência e com raras complicações. A duração media do procedimento é de cerca de 120 minutos.

    Onde e por quem são realizados o Estudo Eletrofisiológico e a Ablação por Radiofreqüência?
    Todo o procedimento é executado em uma sala estéril de Hemodinâmica, que contém mesa própria, aparelho de radioscopia e equipamento computadorizado para a execução do estudo elétrico do coração. A equipe é composta de, no mínimo, um especialista em arritmia, um anestesista para realizar a sedação do paciente, uma enfermeira especializada e seus auxiliares.

  • Fique atento a Dor Torácica

    A dor no peito é um dos problemas mais comuns que trazem os pacientes aos serviços de emergência médica em todo o mundo. Dos pacientes atendidos por este motivo, cerca de 15 a 20 % são portadores de Síndrome de Insuficiência Coronariana. A Insuficiência Coronariana ocorre usualmente quando há obstrução parcial ou total de uma ou mais artérias coronarianas (os vasos que levam o sangue ao músculo cardíaco). O quadro pode variar de situações mais simples de angina estável até casos muito mais graves de Infarto Agudo do Miocárdio.
    Algumas pessoas que se apresentam com dor no peito motivada por insuficiência coronariana têm anormalidades importantes no Eletrocardiograma (ECG) que permitem imediata identificação da gravidade do caso. Entretanto, grande parte dos portadores desta doença se apresentam com ECG normal e características gerais atípicas. Isso torna a situação perigosa, pois pode se crer que nada há de errado com o coração. Até algumas décadas atrás muitos pacientes eram liberados após atendimento quando na verdade estavam sob grande risco e portanto expostos a complicações.
    Felizmente, há anos, são disponíveis vários exames e marcadores que permitem melhor identificação dos indivíduos que se apresentam com características aparentemente normais.

    A sistematização destes métodos de atendimento foi perseguida e foram montados protocolos de atendimento aos pacientes com dor no peito e criadas as Unidades de Dor Torácica (UDT). Em 1981 surgiu a primeira UDT no mundo e o Brasil teve sua unidade pioneira no início da década de 90, no Rio de Janeiro.
    O S.O.S. Cárdio há anos se inseriu no rol de instituições no país que contam com esta segurança e sua sistemática de atendimento tem evoluído em paralelo com os demais centros.

    O paciente atendido no S.O.S. Cárdio por dor torácica é inserido em uma seqüência de procedimentos que visam tornar cada vez menor a possibilidade de que a Insuficiência Coronariana, se presente, não seja detectada. Em alguns casos, apenas o ECG e a consulta clínica são suficientes para tornar extremamente improvável o diagnóstico. Em muitos outros casos, faz-se necessária a dosagem seriada de substâncias do sangue chamadas enzimas cardíacas e isso demanda a permanência do paciente por algumas horas em observação aguardando o resultado e sendo medicado se necessário.

    Esta espera pode ser interpretada como desnecessária mas é motivada exclusivamente para oferecer segurança à pessoa atendida com dor no peito. A maioria dos pacientes nestas condições será, felizmente, liberada após esta fase com orientações específicas para o caso como realização de outros exames e procurar o médico assistente, etc.

    Um menor percentual dos pacientes necessita de internação hospitalar e de investigação mais detalhada que pode culminar inclusive na necessidade da realização de exames como o cateterismo cardíaco, exame hoje bastante seguro e que no S.O.S. Cárdio conta com equipamento e pessoal habilitados para a realização de qualquer procedimento durante as 24 horas do dia.

  • Marcapassos

    Cardioversor-Desfibrilador Implantável (CDI) é um aparelho capaz de monitorar e tratar ritmos anormais do coração, que podem levar a risco de vida.Estes ritmos anormais (arritmias) são ritmos rápidos, chamados de taquicardia ventricular (TV) e fibrilação ventricular (FV). Este aparelho, ao reconhecer qualquer um destes ritmos, é acionado para tentar reverter o problema.

    Orientações aos portadores de Desfibriladores:

    Em caso de viagens:
    • Avise a seu médico, e informe-se sobre o sistema de emergência do local para onde vai.
    • Em caso de longas permanências, peça a seu médico indicação de um especialista no local a quem possa procurar em caso de choques avise a seu médico, e informe-se sobre o sistema de emergência do local para onde vai.
    • Leve consigo o seu cartão de identificação do CDI.
    • Em caso de longas permanências, peça a seu médico indicação de um especialista no local a quem possa procurar em caso de choques.

    Se você receber um choque:
    • Tenha sempre um plano de ação para possíveis situações inesperadas. Saiba como chamar o sistema de emergência médica local. Tenha sempre em mãos os telefones dos seus médicos, e a lista de medicamentos que faz uso.
    • Fique calmo.
    • Se após o choque você continuar a se sentir mal, com tontura, falta de ar, dor no peito, etc., chame o sistema de emergência (resgate), onde estiver, para levá-lo a um hospital.
    • Se você se sentir bem após o choque, ligue para seu médico ou clínica de arritmia que o acompanha. É importante sempre comunicar ao seu médico especialista quando receber um choque.
    • Se você receber 3 ou mais choques, chame o sistema de emergência (resgate), onde estiver, e prepare-se para ser levado a um hospital.
    • Se você for atendido por uma equipe de emergência ou outro médico que não o conhece, informe sobre seu aparelho, mostrando seu cartão de identificação do CDI. Informe sobre seus medicamentos e sobre os médicos especialistas que o acompanham (telefones).

    Visitas ao médico:
    • Você deverá fazer visitas regulares ao médico.
    • Nestas visitas seu CDI será avaliado quanto ao seu funcionamento, programação e estado da bateria.
    • Tudo isto é realizado através de um programador (computador), que capta e transmite informações a seu aparelho.

    Ambiente doméstico
    Apesar da grande diversidade de equipamentos presentes no âmbito domiciliar, seu potencial de interferência é muito pequeno. Essas interferências, na sua maioria de natureza eletromagnética, são raras e geralmente não causam problemas clínicos relevantes. Entretanto, o aterramento adequado das instalações e a correta manutenção e utilização dos aparelhos elétricos devem ser realizados.

    Eletrodomésticos
    Normalmente não provocam interferências, mas deve-se evitar contato direto da região do corpo onde está o gerador com o aparelho em funcionamento. Exemplos: rádios e televisores; tomadas e interruptores elétricos; telefones comuns e sem fio; portões eletrônicos, controles-remotos, chuveiros, máquinas de lavar, geladeiras, secadoras, batedeiras, liquidificadores, ferros-elétricos, exaustores, fornos, computadores, ar-condicionado, torneiras elétricas e brinquedos eletrônicos.

    Fornos de microondas
    Recomenda-se que o portador de marcapasso se mantenha afastado dois metros do microondas em funcionamento.

    Colchão magnético
    É contra-indicado para o portador de marcapasso devido à possibilidade de atuação do ímã sobre o gerador, alterando a sua programação e favorecendo o desenvolvimento de arritmias.

    Aparelhos sonoros dotados de ímãs potentes
    Todo o manuseio de aparelhos com ímãs potentes exige cuidados. Aparelhos sonoros, como grandes alto-falantes dotados de ímãs potentes, podem causar problemas se estiverem em contato com a unidade geradora.

    Choques elétricos
    Caso o paciente receba um choque elétrico de qualquer magnitude, recomenda-se uma revisão de todo o sistema de estimulação implantado.

    Aparelhos que produzem vibração
    Vibrações causadas por aparelhos eletrodomésticos, como barbeadores elétricos, escovas dentais elétricas, aparadores de grama, perfuradores elétricos e vibradores para massagem podem influir nos marcapassos dotados de sensores para movimento, provocando uma aceleração sem maior importância.

    Hidromassagem
    Pode interferir nos marcapassos dotados de sensores de movimento, sem maiores conseqüências.

    Sauna
    Não interfere diretamente nos marcapassos, porém saunas prolongadas podem diminuir a pressão arterial. Em pacientes com marcapasso e freqüência cardíaca fixa não há um aumento compensatório da freqüência cardíaca, podendo surgir sintomas.

    Detectores de metais em aeroportos e em portas de bancos e dispositivos anti-furtos de lojas
    Estes dispositivos são capazes de causar interferências em marcapasso, devendo ser evitados.

    Transformadores e linhas de força de alta tensão
    Podem interferir, sendo recomendado aos pacientes que não transitem a menos de 4m destes locais.

    Escada rolante, elevadores, portas automáticas e rádio de freqüência privada
    Não existem evidências de suas interferências sobre os marcapassos.

    Transportes coletivos
    Não existem evidências de interferências nos marcapassos de pacientes que utilizam transportes coletivos. Entretanto, as cabines de comando de aviões devem ser evitadas.

    Telefone celular
    No sistema analógico pode haver discretas interferências do tipo inibição transitória sem maiores repercussões clínicas. O sistema digital pode determinar interferências mais significativas, havendo relatos de modificação da programação. Independente da tecnologia utilizada recomenda-se manter o aparelho, sempre que ligado, a uma distância superior a 15cm do marcapasso, além da sua utilização no lado contrário ao implante.

    Prática de esportes e atividades sexuais
    Pode interferir com alguns tipos de marcapasso (unipolares) devido a algum esforço da musculatura próxima da unidade geradora.

    Ambiente profissional
    O ambiente profissional dos portadores de marcapassos cardíacos artificiais permanentes pode conter equipamentos que emitam sinais eletromagnéticos que interfiram no funcionamento dos sistemas de estimulação. Estas interferências podem colocar em risco a vida do profissional.

    Empresas de fornecimento de energia elétrica
    Empresas de geração de energia elétrica, subestação de transformação e linhas de transmissão contêm campos eletromagnéticos de alta tensão que interferem no funcionamento do marcapasso.

    Indústrias mecânica e siderúrgica
    Os portadores de marcapasso estão sujeitos à ação de campos eletromagnéticos, mas quando sob influência das seguintes fontes: dispositivos de solda elétrica (arco voltaico). Os que utilizam até 225A em corrente alternada ou contínua com baixa voltagem parecem não interferir na função dos marcapassos (testes em laboratórios), já os dispositivos que utilizam mais de 300A têm demonstrado modificações temporárias nos marcapassos; motores elétricos de grande porte. Devido à geração de campos eletromagnéticos, podem provocar interferência.

    Recomenda-se aos portadores de marcapasso que se mantenha a uma distância mínima de 2m.

    Indústria eletro-eletrônica
    Os profissionais da área de montagem de tubos de TV e monitores de vídeo (fonte de emissão de raios catódicos) e de equipamentos da dosagem de radiação estão sujeitos às interferências ocasionadas por estas fontes de campo magnético. Além disso, equipamentos de solda por radiofreqüência também podem provocar alterações.

    Empresas de telecomunicações
    Transmissores de radiofreqüência AM, FM e TV podem inibir geradores unipolares, dependendo da proximidade, potência e modulação da freqüência transmitida. Radares raramente causam interferências no marcapasso de seus operadores.

    Indústria transformadora de madeira e plástico
    Os secadores de madeira por radiofreqüência, furadeiras e lixadeiras podem causar interferências nos marcapassos. Os trabalhadores portadores de marcapasso devem evitar essas atividades.

    Links de Interesse:
    http://www.cardiol.br/
    http://sociedades.cardiol.br/sc/servicos/links.asp
    http://www.daec-sbc.org.br/
    http://www.deca.org.br/
    http://www.cardiologyonline.com
    http://www.americanheart.org
    http://www.escardio.org
    http://www.arritmias.org/

  • Ultrassom Intracoronário

    O que é?

    É a introdução, no interior da luz coronária, de um cateter capaz de emitir feixes ultrassônicos e, desta forma, gerar imagens dos componentes da parede arterial, inclusive suas alterações patológicas, como a placa de ateroma (placa gordurosa) e realizar análises quantitativas mais precisas da luz da artéria
    coronária.

    QUANDO REALIZADO PELO BRAÇO...

    * O paciente deverá permanecer aproximadamente 30 minutos na sala de recuperação;
    * Realizar exercícios de abrir e fechar a mão cateterizada;
    * Manter o braço em extensão (reto), nas três primeiras horas após o exame, evitando flexioná-lo;
    * Evitar carregar peso com o braço cateterizado até a retirada dos pontos;
    * Realizar o curativo a cada dois dias ou sempre que estiver molhado;
    * Retirar os pontos após 7 dias, no mesmo local onde estiver realizando curativo.

    QUANDO REALIZADO PELA PERNA...

    * O paciente deverá permanecer aproximadamente 7 horas na sala de recuperação, deitado e mantendo repouso absoluto do membro cateterizado, evitando flexioná-lo;
    * Realizar movimento de rotatividade com o pé do membro cateterizado;
    * Evite esforços ou movimentos abruptos com o membro cateterizado durante as primeiras 24 horas.